Skip to content

crise, fome, merda

11/04/2009

As Vinhas da Ira (The Grapes of Wrat), John Ford, 1940

jantar. pizza ao balcão. faltando ainda uma fatia e já inchado de hidratos  sair para o cigarro cá fora – à chuvinha. regresso ao balcão para um fino abaladiço e a conta sff.

desapareceu a fatia do prato.As Vinhas da Ira (The Grapes of Wrat), John Ford, 1940

e desapareceu no mesmo fôlego a distância – tipa com quem tens convivido nesta crise.

a parte dos muito ricos terem ficado um bocadinho menos ricos, em particular os que se joe berarardam no casino bolseiro – teve a sua graça, ai teve, até soube bem.

esta parte dos pobres com fome que gamam uma fatia de um prato de restos ao balcão sabe a merda. é quando nos chega ao bairro o fedor da crise que as imagens dos pobres dos states  nos sabem ao cheiro da merda, o aroma universal dos pobres.

As Vinhas da Ira (The Grapes of Wrat), John Ford, 1940

o fino abaladiço pede o último abaladiço. os donos da casa acham que foi um abuso, ter fome não é um abuso, digo para o ar. As Vinhas da Ira (The Grapes of Wrat), John Ford, 1940

nas mesas, reparo agora, dividem-se fatias, mas também já o fizeste não tem nada a haver, e havendo não é  essa a parte.

a parte  é a fatia que deitaste fora para um dos tipos que passam pelo balcão gamar. um méne já de bezana que conta os trocos para o seu fino abaladiço, ou a cravar, até pode ter sido.

mais fino menos fino a crise começa a chegar aos pobres da minha imaginação. os pobres, essa praga infecta que queria desinfectada do planeta e já agora do resto do universo, se ainda lá houver. um a um. é acabar com eles, os pobres, os gajos que abafam fatias de um pão que foi dos pobres do sul da itália, e se transformou num pão parvo fazedor de ricos quando emigrou para o império. e agora leva umas merdas por cima. se tivesse só tomate azeite alho ervas não tinha atraído, tenho a certeza absoluta,  a fome de quem tirou. os pobres são mais finos do que se pensa. é acabar com eles. um a um. e é já.

cartaz1

Imagens de As Vinhas da Ira (The Grapes of Wrat), John Ford, 1940, escolhidas por aí. No por aí encontrei 21st Century California…  The Grapes Of Wrath Revisited” e não tendo nada de especial tem tudo em geral. Texto propositadamente redigido sem maiúsculas em solidariedade com a cidadã Fernanda Câncio e o seu direito a assim escrever  sem por isso se justificar um comentário a despropósito no jornal do sr. Balsemão.

Anúncios
%d bloggers like this: