Skip to content

Profundidade* das Termópilas

11/07/2009

Photo de Fabricio Estrada

Há uma chuva que se enremoinha lentamente

ameaça e cai por fim

com a força de milhares, intensamente inevitável

todo o peso da transparência

num assobio

que vai ensurdecendo o vento

numa profundidade

que chega

às raízes das sumaúmas**

no percorrer de um rio tumultuoso.

.

Há uma chuva que trespassa a terra

e alimenta

o romper das árvores novas,

de bosques subterrâneos emergindo

de ossos que retomam

a figura primeira de homens e mulheres andando.

.

Há uma chuva

que esborrata os uniformes

encurrala, agita e lava o corpo,

amansa,

ordena,

cobre o céu

para que lutemos

debaixo da sua sombra.

.

Fabricio Estrada, poeta hondurenho,versão minha a partir do poema original publicado na sua Bitacora del Parvulo

*Em castelhano: Hondura
**“A sumaúma (Ceiba pentandra, da família Bombacacea) foi para os índios da América Central a árvore-da-vida.”

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: